Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Urariano Mota
 La Insignia
 Nova Cultura
 Musibrasil
 Blog de Jesús Gómes, editor de La Insignia
 Samba-Choro
 Comunique-se
 Blog de Nei Duclós
 Blog de Ral, chargista, ilustrador
 Blog de Luis Nassif
 Canhoto da Paraíba
 Ivan Maurício
 Lilian Elphick
 Bodega Cultural
 Letras de Chile
 Alexandro Gurgel
 Outros Ventos
 Conexão Maringá
 Literatura Livre
 Retalhos do Modernismo
 Lavanguardia




Sapoti da Japaranduba
 


Ñasaindy Barret, filha de Soledad, ao lado do autor do livro

O  último poema de Soledad Barrett

 

Urariano Mota

 

Arte gera arte. Fraternidade gera fraternidade. Humanidade gera humanidade.

 

Se não for isso, observem que coisa linda, muito mais que linda, Ñasaindy Barrett, a filha de Soledad Barrett, me enviou ontem à noite.
Digo linda e mais que linda para expressar uma categoria que vai além da estética, alcança a história, faz da história o destino de toda a gente, e num só passo encarna uma poética real, viva, como um destino grafado em versos. Uma estética, enfim, que é também uma ética e uma profecia decifrada.   

Quero dizer, devo dizer. Esse presente me chegou como se fosse gerado pelo texto “Diário da Paixão e da Infâmia”, que a jornalista e escritora Memélia postou em seu blog http://memeliamoreira.com/blog1/2009/11/03/diario-da-paixao-e-da-infamia/

Recomendo o texto de Memélia,  que é belíssimo. 

Mas o fato é que , ao ler a crítica de Memélia para o livro “Soledad no Recife”, Ñasaindy me escreveu: 

 
“Muito bom! Compartilho com ela de todos os detalhes e sensações.
A música da Gal que ecoa por entre as tuas páginas, ‘Mamãe, mamãe, não chore, a vida é assim mesmo…’ e o comentário de Memélia:  ‘E quantas mães até hoje ainda não enxugaram suas lágrimas porque seus filhos se foram e sequer os corpos apareceram?’... fez eu me levantar da cadeira e ir direto à papelada reservada (às memórias de minha vida e das pessoas que por ela passaram e do que me deram ou o que delas eu guardei...e que às vezes manuseio para encontrá-las e me encontrar nelas) pra te dar este poema, que talvez você já tenha, mas na dúvida..

Ele foi enviado para mim por Nanny Barrett, irmã de Soledad (outra grande guerreira, como todos da família), logo depois que nos conhecemos, no início da década de noventa. Hoje ela não está mais entre nós.
O poema foi escrito por Soledad, que o deu de presente para o aniversário de sua mãe em 11 de março de 1971.
 

Madre, me apena verte así
el quebrado mirar de tus ojos azul cielo
en silencio implorando que no parta.

Madre, no te apenes si no vuelvo
me encontrarás en cada muchacha de pueblo
de este pueblo, de aquel, de aquel otro
del más acá, del más allá
talvez cruce los mares, las sierras
las cárceles, los cielos
pero, Madre, yo te aseguro,
que sí me encontrarás!
en la mirada de un niño feliz
de un joven que estudia
del campesino en su tierra
del obrero en su fábrica
del traidor en la horca
del guerrillero en su puesto
siempre, siempre me encontrarás!
 
Mamá, no te pongas triste,
Tu hija te quiere.

 Soledad Barrett

Traduzo em minhas palavras, e se você quiser pode apresentar para todos. Este poema diz muito sobre ela, monta a sua personalidade.

 

 Mãe, me entristece te ver assim
o olhar quebrado dos teus olhos azul céu
em silêncio implorando que eu não parta.

Mãe, não sofras se não volto
me encontrarás em cada moça do povo
deste povo, daquele, daquele outro
do mais próximo, do mais longínquo
talvez cruze os mares, as montanhas
os cárceres, os céus
mas, Mãe, eu te asseguro,
que, sim, me encontrarás!
no olhar de uma criança feliz
de um jovem que estuda
de um camponês em sua terra
de um operário em sua fábrica
do traidor na forca
do guerrilheiro em seu posto
sempre, sempre me encontrarás!
 
Mãe, não fiques triste,
tua filha te quer.


 Soledad Barrett”

 

 Agora vocês entendem a estética que é uma ética e uma profecia em um só poema.  A vida que veio depois mostrou esse poema como uma canção de despedida. Que pode ser lido enquanto escutamos “Mamãe, coragem”,  http://www.youtube.com/watch?v=bZ4oTOud8Fk Agora.

 

 

 

 

 



Escrito por urariano às 19h02
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ Ver arquivos anteriores ]