Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Urariano Mota
 La Insignia
 Nova Cultura
 Musibrasil
 Blog de Jesús Gómes, editor de La Insignia
 Samba-Choro
 Comunique-se
 Blog de Nei Duclós
 Blog de Ral, chargista, ilustrador
 Blog de Luis Nassif
 Canhoto da Paraíba
 Ivan Maurício
 Lilian Elphick
 Bodega Cultural
 Letras de Chile
 Alexandro Gurgel
 Outros Ventos
 Conexão Maringá
 Literatura Livre
 Retalhos do Modernismo
 Lavanguardia




Sapoti da Japaranduba
 


 

A filha de Soledad com o autor, no lançamento do livro em São Paulo

Soledad, como um poema

 

“Agora, quase 37 anos depois desse episódio, um escritor pernambucano, Urariano Mota, lança um romance sobre o caso, tendo como personagens centrais o narrador – que o escritor garante ser ficcional embora, como leitor, é difícil acreditar dado o texto poético, apaixonado, platonicamente apaixonado – e Soledad Barrett Viedma, a Sol, bela paraguaia de 28 anos, uma mulher sublime, militante da VPR, que, não se sabe como, tornou-se mulher do homem insensível e traidor que se tornou seu algoz.

Soledad no Recife é um livro de ficção, mas – acredito – só no modo de contar, no texto que parece um poema em que o autor se esqueceu de quebrar em versos. É um romance de valor histórico muito importante nestes tempos em que se tenta recuperar a história recente de um período que os adeptos da ditadura, da tortura, das mortes de opositores, tentam fazer que seja apagado da memória do Brasil e dos brasileiros.”

(Mouzar Benedito, no Observatório da Imprensa, que reproduz texto do seu blog  Via Política, http://www.viapolitica.com.br/principal.php)i

 

 

 



Escrito por urariano às 12h27
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ Ver arquivos anteriores ]