Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Urariano Mota
 La Insignia
 Nova Cultura
 Musibrasil
 Blog de Jesús Gómes, editor de La Insignia
 Samba-Choro
 Comunique-se
 Blog de Nei Duclós
 Blog de Ral, chargista, ilustrador
 Blog de Luis Nassif
 Canhoto da Paraíba
 Ivan Maurício
 Lilian Elphick
 Bodega Cultural
 Letras de Chile
 Alexandro Gurgel
 Outros Ventos
 Conexão Maringá
 Literatura Livre
 Retalhos do Modernismo
 Lavanguardia




Sapoti da Japaranduba
 


Treze de maio de 2009

 

Urariano Mota

 

 

No café da manhã, minha mulher lembrou que hoje é treze de maio. Não fosse a sua lembrança, eu não escreveria esta crônica.

 

Os primeiros trezes de maio, que lembro em mistura aos goles do café,  me vêm do Ginásio Ipiranga na infância. Olho para o lado agora como se nada visse, assim como os colegas negros em 1961 olhavam de lado, ou baixavam os olhos, ao ouvirem a lição lida em voz alta no livro didático:

 

"ABOLIÇÃO DA ESCRAVIDÃO - A escravidão negra foi introduzida no Brasil em 1550. Não tendo os portugueses conseguido escravizar os índios para obrigá-los a trabalhar na lavoura, resolveram utilizar negros africanos nessa tarefa...". E mais adiante, todos haviam que decorar a resposta certa da pergunta no questionário: - Por que foi introduzida a escravidão negra no Brasil? - Ora, respondíamos todos, negros, brancos e mulatos, "porque os portugueses não conseguiram escravizar os índios para obrigá-los a trabalhar nas lavouras". O espaço daquele aprendizado era um círculo fechado, redundante: os índios não quiseram trabalhar como escravos, daí que a solução foi importar negros da África. E, naturalmente, os negros foram escravizados porque os índios eram rebeldes. Então, para dar substância ao círculo, era ensinado que os negros vinham, mansos, passivos, cordatos, porque assim era a sua natureza, ser negro e escravo em uma só pessoa. Então os meus antigos colegas olhavam de lado.  

 

É interessante notar que no Brasil de 1961 negros eram os meninos de pele mais escura que a nossa. Negros eram os meninos de cabelo mais duro que o nosso. Negro não era uma raça, era uma cor do lápis de cor, ou a cor do grafite em toda a pele. E por isso líamos todos as lições que confirmavam a exclusão geral, como se fosse uma exclusão particular de outros, dos outros negros:

 

"A PRINCESA ISABEL ASSINA A LEI ÁUREA - ... A Regente vai lançar o nome no pergaminho, quando, em nome do povo, recebe uma caneta de ouro, cravejada de pedras preciosas. E é com a bela caneta de ouro que assina a lei que a Nação enternecida cognominou de 'áurea'. Da rua, a multidão, em altos brados, exige a presença de Isabel. E a Princesa aparece à janela, tendo ainda na mão a pena com que acabou de dar liberdade à raça negra do Brasil. Na praça inteira, o povo agita os braços festivamente, bradando em coro, em pleno delírio:

- Redentora! Redentora! Redentora!...".

 

Um dia ainda vou escrever sobre o grande mal que esse tipo de educação fez a  todos nós. Uma educação mitificadora, preconceituosa, de omissões e mentiras. Todos nós aprendíamos um Brasil sem conflitos e sem história. Aprendíamos um Brasil ideal para as sinhazinhas prendadas. Lá na sala de aula, em todos os trezes de maio, nos virávamos para os negros, para os de pele mais escura que a nossa. Os meus colegas, os meus amigos, incapazes de uma resposta plena da rebeldia dos quilombos, baixavam os olhos. Os meus irmãos de pele e coração às vezes sorriam, sorriam com o seu riso mais branco que os detergentes da televisão, sorriam só com os dentes brancos, quando ouviam, “hoje é teu dia, negão”.   

 

E com isso passávamos adiante a formação da escola burra, uma escola que passava o apagador até mesmo em nossa história familiar, com a pregação da redentora Princesa Isabel, santa Isabel, que libertara os negros do Brasil. Somente muitos anos depois, em São Paulo, vi um treze de maio diferente. Em  1978, vi um 13 de maio de negros de todas as cores, de todas as raças, que repunham em lugar da salvadora dos pobres negrinhos um orgulho e uma disposição de puxar o véu da história.

 

Mas então já não estavam ao meu lado os colegas do Ginásio Ipiranga. Aqueles, de pele mais escura, que baixavam os olhos. Eles haviam carregado para o resto de suas vidas as lições de perguntas fechadas e respostas prontas. Quem salvou os negros do Brasil? Os antigos colegas sabiam na ponta da língua. E por isso viraram médicos medíocres, funcionários  servis, engenheiros mesquinhos, indivíduos sem humanidade que mantêm distância dos negros mais pobres.

 

Vocês não sabem o quanto é bom ter chegado a este 13 de maio em 2009, agora, quando  as novas gerações sorriem e zombam da redentora, da princesa que salvou os negrinhos de alma branca. Viva este novo tempo. Do meu canto, saúdo com um cafezinho negríssimo todos os negros.

 

 

(Também no Direto da Redação, desde 13.5.2009)



Escrito por urariano às 16h36
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ Ver arquivos anteriores ]